domingo, 2 de dezembro de 2007

Urze

Moitas
Arte Digital - Photos
Fotografia de © Armando Cardoso



A urze cresce rasteira pelos pinhais.

Entre o verde, surge pelas encostas.

Quase em silêncio, adivinha o calor,

Nos passeios alegres das crianças!

Em brincadeiras ou jogos de bola,

Refrescam os seus pés em ribeiros;

Nas águas límpidas, aquecidas pelo sol.





Quando olhei esta fotografia, revivi a infância.

Passeios a pé ou de bicicleta, pelos caminhos da minha aldeia.

Um dia, o fogo levou aquele encanto.

Pouco ficou do brilho da urze!

Negros, os fetos, as giestas e a esteva de flor branca.

Entre o pinhal perdido, queimado e esquecido!

(...)




Música: "Lullabye (Sviraj)" - Aria. Vol.2

9 comentários:

In Loko disse...

Linda foto amiga MJ!!!

Lindo o relembrar dos passeios pelos montes, pelos caminhos que aqui partilhas connosco... feio o fogo, que tudo queimou e deixou os olhares desolados!

E é tão bom reviver tempos lindos da infância... andar de bicicleta, jogar à bola... até me estou a lembrar de momentos lindos da minha infância!

Beijinhos...

poeta_silente disse...

Imagem = magnífica
Texto = verdadeiro
... verdadeiro, mas dolorido.
Quantas coisas se perdem daquele tempo em que, felizes, corríamos pelos campos, a sentir as macegas a bater em nossas pernas, como que para nos dizer que tomássemos cuidado... "Não corram tanto, crianças!" E as risadas se ouviam ao longe, na certeza de que a vida ainda não tinha batido com sua mão negra na vida de cada uma das inocentes criaturas.
A vida é nossa salvação e nosso carrasco. Carrasco, porque nos açoita com dores insuportáveis, chicotadas de desventuras e desilusões... amores desfeitos... incompreensões... sonhos inalcançáveis... solidão.
Salvação, porque nos purifica, nos molda, faz-nos amadurecer e perceber que ela é mais do que gargalhadas infantis e sonhos de fada... ela é o caminho para alcançarmos alguma coisa mais profunda, mais constante e eterna... para que possamos passar por este caminho na certeza de que fizemos o melhor, mesmo entre lágrimas.
E... para as crianças de hoje, ficam as imagens... ficam as ramadas... crescem as urzes...
Para cada qual, um nome... mas, para todos, o mesmo sentido!

Beijos
Deus te abençoe.
Miriam

Brain disse...

Mª José,

Passei,
Para te agradecer as palavras que me deixaste,
Juntamente,
Com um sentido,

Beijo meu.

Anónimo disse...

Obrigado Maria José
As minhas fotos sempre ficam valorizadas com os seus magníficos textos.
Abraço
Armando Cardoso

http://www.armandocardoso.com

Pedro Arunca disse...

Poesia bucólica que me leva às cores e aos cheiros da minha infância.

Belo blogue.
Voltarei...
PA

POETA VAGABUNDO disse...

adorei a imagem....
beijo vagabundo

impulsos disse...

Lá longe
Num tempo distante
Onde se abraçava o sol
Em cada manhã radiosa
E os sonhos...
Ainda eram tão límpidos
Como o cristal...
Lembro-me daquela menina
De corpo franzino
Que calcorreava os montes
Em busca dessa urze
Que roçava à moda antiga
E "ugava" num molho...
Foi há muito
Muito tempo
Mas nunca o esquecerá
Faz parte das suas memórias
De uma infância feliz
Apesar de tudo...

Beijo e feliz Natal

Jorge disse...

Bela imagem e bela musica!!
Gostei!!
Que poema lindo!
Mas nós sabemos que as coisas belas e lindas da natureza sempre (re) nascem!! Sempre!!

Que linda esta sintonia, poema e imagem. Tranmite uma paz de espirito fenomenal!
E faz tão bem ao coração esta Paz! Basta, tão somente senti-la! Senti-la bem dentro de nós!

Beijinhos*
Jorge

leonor costa disse...

Bela a imagem, a música e o poema.

Abraço


HOJE E AMANHÃ