terça-feira, 11 de agosto de 2009

MEU FADO DE ESTUDANTE ...

Aguarela de Paulo Santiago - Fev. 1980


Gotas leves molham o rosto
lavam o silêncio num olhar triste


Das paredes já disformes
palavras cristalinas reflectem luz
Do grito nascem lágrimas
que repousam nas mãos frias


Tarde de Inverno!


(1980)
.
.
Hoje sorrio ao lembrar esses tempos ( antes e depois de 1980).
Em Janeiro desse ano, a alegria do regresso a casa mas também a saudade dos amigos que nunca mais vi.
Novos desafios surgiram no horizonte ...
Outros "fados", um mesmo "destino", o meu!
.
.
Madrededeus--Faluas do Tejo

.

sábado, 1 de agosto de 2009

FADO DO ESTUDANTE

(também conhecido pelo nome "fado do Vasquinho")

«Que negra sina ver-me assim
Que sorte vil degradante
Ai que saudade eu sinto em mim
Do meu viver de estudante

Nesse fugaz tempo de Amor
Que de um rapaz é o melhor
Era um audaz conquistador das raparigas
De capa ao ar cabeça ao léu
Só para amar vivia eu
Sem me ralar e tudo mais eram cantigas.

Nenhuma delas me prendeu
Deixá-las eu era canja
Até o dia em que apareceu
Essa traidora da franja

Sempre a tinir sem um tostão
Batina a abrir por um rasgão
Botas a rir ,um bengalão e ar descarado
A vadiar com outros mais
Ia dançar para os arraiais
Para namorar beber, folgar, cantar o fado

Recordo agora com saudade
Os calhamaços que eu lia
Os professores da faculdade
E a mesa da anatomia

Invoco em mim recordações
Que não têm fim dessas lições
Frente ao jardim do velho campo de Santana
Aulas que eu dava e se eu estudasse
Onde ainda estava nessa classe
A que eu faltava sete dias por semana

O Fado é toda a minha fé
Embala, encanta e inebria
Pois chega a ser bonito até
Na radio - telefonia

Quando é tocado com calor
Bem atirado e a rigor
É belo o Fado, ninguém há que lhe resista
É a canção mais popular, tem emoção faz-nos vibrar
Eis a razão de eu ser Doutor e ser Fadista»


__________________________


O "Fado do estudante" foi interpretado pela primeira vez por Vasco Santana no filme "A Canção de Lisboa" de Cottinelli Telmo.

Realizado em 1933, foi o primeiro filme sonoro feito em Portugal.



__________________________